segunda-feira, 2 de maio de 2011

Menor relógio atômico comercial está à venda

 


SÃO PAULO – Pesquisadores americanos criam o menor relógio atômico comercial do mundo: uma peça do tamanho de uma caixa de fósforos, com apenas 35 gramas e que pode ser adquirida por US$1.500.

Batizado de Chip Scale Atomic Clock (CSAC), ele foi desenvolvido pelo Laboratório Nacional Sandia em parceria com a Symmetricom Inc e tem cerca de 3,8 cm de lado e  1,3 cm de espessura, o que o torna 100 vezes menor que seu predecessor comercial. Além disso, o aparelho construído pela equipe do pesquisador Darwin Serkland precisa de 100 vezes menos energia que seu antecessor: apenas 100 milliwatts.


Ao contrário do que o nome pode sugerir, um relógio atômico não usa radioatividade para funcionar. O nome vem da maneira como ele mede o tempo: contando a freqüência de ondas eletromagnéticas emitidas pelos átomos de césio ao serem atingidos por um pequeno feixe de laser.

Os átomos de césio ficam em um compartimento do tamanho de um grão de arroz. Lá, são atingidos pelo feixe com freqüência de 335 terahertz (894,6 nanômeteros), enquanto um pequeno gerador de microondas envia uma freqüência oscilatória. Um fotodiodo monitora o sutil aumento na transmissão de luz através do vapor de césio. Após contar 4.596.315.885 ciclos do sinal de microondas, o equipamento sabe que um segundose passou.

Como o magnetismo afeta os átomos de césio, o aparelho possui duas camadas de aço que o protegem do campo magnético da Terra. A precisão do dispositivo, que mede o tempo em milionésimos de segundo, não é útil ao dia a dia, mas tem aplicações especificas, especialmente em situações nas quais é difícil contar com a localização via GPS. Por exemplo, relógios atômicos são usados para planejar operações de mergulho com etapas sincronizadas, pois a variação entre dois aparelhos seria de menos de um milionésimo de segundo por dia.

Graças às suas possíveis aplicações comerciais e militares, o projeto do Sandia foi patrocinado pela DARPA (Agência de Projetos de Pesquisa de Defesa Avançada), ligada ao Departamento de Defesa americano.

Nenhum comentário: