quarta-feira, 20 de julho de 2011

Panasonic HDC-TM900 filma em 3D




Equipada com 32 GB de memória flash e entrada para cartão SD, a filmadora compacta produz vídeos em resolução full HD (1 080p) e, com a ajuda de um acessório vendido separadamente, registra imagens em 3D. Nos testes do INFOlab, as cenas captadas em 2D pelo equipamento ficaram ótimas, especialmente pela fidelidade de cores. O sistema de estabilização é bem eficiente e permite explorar o zoom sem que o resultado sejam imagens excessivamente tremidas. A captação de áudio em 5.1 canais simulados também merece elogios. A operação pelo display sensível ao toque de 3,5 polegadas não assusta os leigos. Para os mais experientes, o anel frontal para ajustes de foco, velocidade do obturador e balanço de branco também agrada. O encaixe do kit 3D VW-CLT1 na frente da lente é bem chatinho e deixa a filmadora 9 centímetros mais comprida e 195 gramas mais pesada. Durante a filmagem em 3D, zoom, estabilizador e ajustes manuais ficam indisponíveis e há uma queda de qualidade nas imagens. O efeito tridimensional nas cenas gravadas nos testes e vistas em uma TV 3D foi satisfatório.

As belas imagens da HDC-TM900 são captadas pelo tradicional trio de sensores MOS de um quarto de polegada, cada um com 3,05 MP de resolução. Além da fidelidade cromática, vale mencionar os ótimos contraste e definição, assim como a ausência de qualquer granulação visível. Embora não apresente grandes falhas, o efeito 3D só é eficaz para as imagens em primeiro plano. Mesmo com esses resultados medianos, a lente 3D não deixa encarecer a câmera em 1.699 reais. Já o zoom oferece figuras razoáveis de 12x, para o óptico, e 700x, para o digital. 

Para complementar o SSD de 32 GB, a filmadora aceita cartões SD, SDHC, SDXC, MS e MSPRO. Todo esse espaço é utilizado para armazenar as filmagens em formato AVCHD, com extensão M2TS. Uma saída miniHDMI e outra AV, aliadas a uma saída P2 para fone, permitem que as gravações possam ser vistas em um monitor. Já a transferência de arquivos se dá via USB. Há ainda uma P2 para microfone e uma sapata para flash.

Quem prefere uma maneira mais tradicional de filmar tem a opção de usar o visor ocular retrátil. Mas não há nada de errado com o display, que é bem sensível e preciso, como se espera de uma interface de toque capacitiva.

O menu de configuração é bem completo e permite controlar aspectos como o reconhecimento facial, o estabilizador OIS e o tipo de zoom. Uma das funções mais interessantes da HDC-TM900 é a Pré-Rec. Trata-se de uma gravação contínua que armazena apenas os três últimos segundos de filmagem, descartando o resto. Quando o usuário aperta o botão REC, a câmera soma esses três segundos ao filme final. Desse modo, o usuário não perde movimentos que aconteceram antes que ele pudesse pressionar o botão.

Com apenas uma mão, é possível alcançar todos os controles ligados diretamente à filmagem. O botão Camera Function pode ser usado para ajustar rapidamente o foco e a luminosidade. Também simples, o software HD Write AE pede autorização para descarregar fotos e vídeos assim que a câmera é conectada a um computador. Por meio dele é possível fazer um trabalho de edição básico. 

Não há nada de especial no acabamento dessa câmera, que é feito principalmente em plástico. No entanto, os pontos brilhantes que ocupam sua superfície podem desagradar alguns usuários.

Mais preocupante que esses detalhes, a bateria não teve um desempenho muito bom nos testes do INFOlab. Ela suportou apenas 108 minutos de gravação.

Nenhum comentário: